Eduardo Dusek. Luzes na Estrada

Luzes na Estrada – Eduardo Dusek

Eu tava na estrada quase chegando na cidade

Eu tava mesmo vendo as luzes da cidade

Que com seu forte clarão iluminava a estrada

Daquela que ia ser a estranha madrugada

Eu tava na estrada quase chegando na cidade

Eu tava mesmo vendo as luzes da cidade

Quando um outro clarão relampejou na estrada

Era gente estranha feito coisa de cirico,

Que sei lá eu

Gente com a roupa de luz, que com a cara me flertava

Como que naquilo tudo o estranho fosse eu

Não deu pra fugir, pra esconder, nem pra esquecer de nada.

Ficamos no silencio em que a gente só se olhava

Em que agente só ouvia os bichos lá no brejo

Até que aquela gente resolveu ri embora

No mesmo clarão, olhou mais uma vez e subiu pro céu.

Foi subida devagar de quem não teme nada

Feito perfume de flor, sem ruido e sem fumaça

Quando dei por mim tava aquela gente lá no alto

Feito um jardim suspenso de beleza em toda a madrugada.

E foi isso que eu vi, e que agora tô contando,

E não tem mais nada não, mais nada não.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.